O que deve uma criança de 4 anos saber?

Deparei-me com este texto num site que não resisti em aqui publicar. Acrescentaria que deveria saber aos 3, aos 4, anos 5,…, deveria saber sempre. É aqui que está o conhecimento onde acenta a informação escolar

O texto resulta de uma reflexão de Alicia Bayer (ver no final) sobre uma pergunta que foi colocada por uma mãe de um menino de 4 anos e meio. A mãe estava preocupada porque, na sua opinião, o filho não sabia o suposto para a idade e perguntava “O que deve saber uma criança de 4 anos?”.

A esta pergunta seguiram-se várias respostas de outras mães. Uma mãe listou as aptidões do filho; contar até 100, o nome dos planetas, como escrevia bem o nome, outra mãe nomeou as vastas competências do seu filho, apenas com 3 anos de idade. Poucas mães referiram que cada criança se desenvolve ao seu ritmo e que a mãe não tinha motivos de força maior para se preocupar.

A indignação de Alicia Bayer perante as respostas das mães levou-a a redigir uma lista sobre as competências que, na sua opinião, uma criança de 4 anos deve ter.

Entre pais é frequente fazerem-se comparações sobre o que os filhos são ou não “capazes” de fazer. Comportamentos e conhecimentos são socialmente partilhados ou escondidos mediante as competências que mais ou menos se valorizam. “Somos uma cultura tão competitiva que até as crianças em idade pré-escolar se converteram em troféus. A infância não deve ser uma carreira.”, refere a especialista.

O que deixa uma criança feliz? Qual a relação do “ser”, “ter” e “fazer”?

Então, o que deve saber uma criança de 4 anos?

Segundo Alicia Bayer, uma criança deve saber…

1. Que é amada, total e incondicionalmente, em todas as circunstâncias.

2. Que está segura e como manter-se em segurança em público, com outras pessoas e em situações distintas. Deve saber que pode confiar nos seus instintos sobre os outros e que nunca deve fazer nada que considere errado, independentemente de quem lho pede. Deve conhecer os seus direitos e saber que a família estará sempre presente para os defender e fazer respeitar.

3. Rir, brincar, fazer-se de tola e utilizar a sua imaginação livremente para explorar o mundo. Deve saber que não há nenhum problema se pintar o céu de cor-de-laranja e desenhar um gato com 6 patas.

4. Quais são os seus interesses pessoais e ser encorajada pelos pais a persegui-los. Se não quer saber dos números aos 4 anos, os pais devem ter a capacidade de perceber que os aprenderá a seu tempo e deixá-la descobrir o mundo à sua maneira. Pintar, brincar ao ar livre, fazer bolos de lama, construir e inventar coisas é tão importante como aprender os números.

5. Que o mundo é mágico e que ela também o é. Deve saber que é um ser belo, brilhante, criativo, apaixonante e maravilhoso.

Mas ainda mais importante é o devem saber os pais:

1. Que cada criança aprende a andar, a falar, a ler e a fazer cálculos a seu tempo, e que isso não tem qualquer influência na forma como irá andar, falar, ler ou fazer cálculos no futuro.

2. Que o fator com maior impacto para o sucesso escolar da criança é ler para ela desde pequenino. Ler para a criança, apresentar-lhe os livros, partilhar as aventuras e a magia dos livros, todos os dias, é a base para criar e desenvolver o gosto pelo saber, despertar a curiosidade e estimular a imaginação.

3. Que ser a criança mais inteligente e a que mais se destaca na turma não significa que é a mais feliz. Estamos tão obstinados em criar “oportunidades” de desenvolvimento para os nossos filhos que acabamos por lhes proporcionar uma vida cheia de atividades e tão tensa como a nossa. O maior presente que podemos dar aos nossos filhos é uma infância simples, livre e despreocupada.

4. Que as crianças merecem estar rodeadas por livros, pela natureza, pela arte e devem ter toda a liberdade para as explorar pelos seus próprios meios. As crianças devem mexer na terra, brincar com a água, sujar as mãos com tinta, construir os seus brinquedos, descobrir novos estímulos em coisas simples e naturais. Ir mais além, abusar da criatividade, imaginar mundos novos, que não têm que ser iguais aos nossos.

5. Que as crianças precisam de nós, dos pais. Tornámos-nos tão bons a dizer que precisamos de cuidar de nós que alguns de nós usam isso como pretexto para deixar os filhos ao cuidado dos outros. Mais do que atividades, brinquedos e gadgets, a criança precisa de companhia, precisa de ter alguém que esteja lá para ela. Precisa de alguém que brinque com ela, que faça actividades com ela, que invente jogos com ela, que partilhe momentos e descobertas com ela. Os filhos merecem saber que são a prioridade dos pais, que todos os minutos partilhados com eles são únicos, preciosos e irrecuperáveis.

Alicia Bayer vive numa área rural de Minnesota (EUA), com o marido e os 5 filhos (com idades entre os 2 e os 15 anos). É responsável pelo site e blog “Uma infância Mágica” desde à cerca de 10 anos. Também escreve artigos de opinião para Examiner.com. Artigo original: www.magicalchildhood.com/index2.htm (What should a 4 year old know?).

Alicia Bayer vive numa área rural de Minnesota (EUA), com o marido e os 5 filhos (com idades entre os 2 e os 15 anos). É responsável pelo site e blog “Uma infância Mágica” desde à cerca de 10 anos. Também escreve artigos de opinião para Examiner.com. Artigo original: www.magicalchildhood.com/index2.htm (What should a 4 year old know?).

Anúncios